Untitled Document
DÚVIDAS FREQÜENTES

Quem são as pessoas mais indicadas para este tipo de tratamento? Existe algum tipo de pessoa que não pode fazer esta cirurgia?

As pessoas mais indicadas são aquelas que possuem Índice de Massa Corporal acima de 35Kg/m2 associado a doenças como hipertensão e diabetes ou acima de 40Kg/m2, independente de doenças associadas; além dissso, que tenham idade entre 16 e 60 anos e com história de falha de tratamento clínico (reeducação alimentar, inibidores de apetite e atividade física). São raras as pessoas que não podem submeter-se a uma cirurgia de obesidade, mas entre as principais contra-indicações estão: Doenças cardíacas, pulmonares ou hepáticas graves, pois elevam o risco cirúrgico, doenças psiquiátricas graves (como esquizofenia), alcoolismo e dependência de drogas ilícitas.

Quais os tipos de cirurgia bariátrica, suas características? Qual a mais comum?

Existem basicamente três tipos de cirurgia:

1. Restritivas: O mecanismo de perda de peso é principalmente por reduzir a capacidade de armazenamento do estômago. A mais utilizada é a banda gástrica ajustável, um procedimento no qual uma cinta é passada ao redor do estômago, dividindo-o em dois compartimentos, sendo que o superior tem cerca de 20ml e funciona como o novo estômago, diminuindo a ingesta de alimentos e causando saciedade (sensação de estômago cheio) precoce. A grande vantagem seria a menor complexidade técnica do procedimento, mas por promover uma perda de peso de apenas 15 a 20% do peso corporal, só é indicada hoje em casos excepcionais.

2. Disabsortivas: Neste tipo de cirurgia o principal mecanismo que leva a perda de peso é a diminuição na absorção de nutrientes como carboidratos e gorduras, pois nelas são realizados "grandes" desvios intestinais com pouca diminuição no tamanho do estômago. Teria a vantagem teórica de permitir ao paciente ingerir maiores volumes de alimentos, mas, na prática, nunca teve bons resultados no Brasil, devido ao alto percentual de carboidratos na nossa dieta. Pode levar a quadros de desnutrição protéica grave, necessitando inclusive de internações para nutrição por via venosa, cirrose no fígado e cálculos (pedras) nos rins.

3. Mistas: As cirurgias com melhores resultados e mais utilizadas em todo o mundo para tratar a obesidade são aquelas onde existe um componente restritivo (redução do estômago) e outro disabsortivo (desvio intestinal), promovendo desta forma uma perda de peso satisfatória com um índice de complicações aceitáveis, inclusive a longo prazo. São conhecidas também como cirurgia de Capella (cirurgião colombiano radicado nos estados Unidos que desenvolveu a técnica), cirurgia do anel (que pode ou não ser colocado no estômago), cirurgia de by pass (desvio) gástrico, entre outras.

O que é o anel? Ainda é necessário o uso dele?

O anel é uma fita de material sintético (normalmente silicone), colocada ao redor do estômago reduzido com a finalidade de regular a quantidade de alimentos que passam por ele, como se fosse a "boca" de um funil. As primeiras cirurgias de desvio gástrico foram feitas com a anel, pois acreditava-se ser indispensável a regulação da passagem dos alimentos com esta fita, no entanto, com o desenvolvimento da cirurgia, foi observado que pacientes onde não foi colocado o anel apresentavam perda de peso semelhante com uma melhor qualidade de vida (menos entalos e vômitos). Atualmente a maioria dos cirurgiões no Brasil e nos Estados Unidos não utiliza o anel em suas cirurgias.

Como é o procedimento da cirurgia?

A cirurgia pode ser realizada por via convencional (com um corte de 15cm acima do umbigo), ou como é feita atualmente na maioria das vezes, por via videolaparoscópica, ou seja, utilizando uma microcâmera de alta definição e cinco a seis corte de variam de 5 a 12mm. A anestesia é Geral. O procedimento dura em torno de três horas e o paciente tem alta hospitalar dentro de três dias.

Qual é a perda de peso que é possível a pessoa perder em um ano com a cirurgia?

A perda de peso após a cirurgia é muito variável de pessoa para pessoa, pois depende de vários fatores, como o metabolismo de cada um, o peso inicial, a gravidade da obesidade, a idade do paciente, atividade física e abuso de álcool e doces.

Após a cirurgia que cuidados devemos tomar para que tenhamos um pós cirúrgico da melhor forma possível?

Seguir rigorosamente as recomendações do Cirurgião e Nutricionista, fazer uso dos suplementos nutricionais, não abusar do álcool e fazer atividades físicas regularmente.

Devemos seguir alguma dieta após a cirurgia? E exercícios?

A dieta a ser seguida após a cirurgia é prescrita de forma individual pela nutricionista, mas de maneira geral, após o terceiro mês de cirurgia, é praticamente normal. Os exercícios podem (e devem) ser realizados normalmente após 30 dias da cirurgia, iniciando com atividades aeróbicas e após o terceiro mês, associando exercícios isométricos (musculação).

O estômago pode voltar ao normal anos depois da cirurgia?

Se a cirurgia foi corretamente realizada, não há o risco de "dilatação" do estômago após a cirurgia. O que pode ocorrer é um aumento na quantidade de alimentos ingeridos após o segundo ano de cirurgia, em decorrência da adaptação nos mecanismos neuro-hormonais de saciedade.

Existem riscos na cirurgia de redução de estômago? Quais?

Como qualquer outra cirurgia de grande porte realizada em pacientes obesos, a cirurgia de redução de estômago não é isenta de riscos, mas as complicações graves representam hoje cerca de 5% dos casos, com um índice de mortalidade menor que 1% em centros de referência. As principais complicações são a fístula, ou seja o vazamento de secreção devido a má-cicatrização nas áreas de sutura(costura), a embolia pulmonar, que é migração de coágulo sanguíneo formado principalmente nas pernas para o pulmão, causando dificuldade respiratória e hemorragias.

Quais os problemas que podem ocorrer após a cirurgia?

Se o paciente não seguir as recomendações da equipe bariátrica, pode desenvolver sintomas de intolerância alimentar como vômitos e entalos freqüentes, levando-os a ingerir alimentos pastosos que, no geral , são mais pobres em proteínas e vitaminas. Caso o paciente não procure tratamento adequado, poderá desenvolver deficiências de nutrientes, levando a quadro de alterações na pele, cabelo, unhas, fraqueza e ganho de peso.

Quais os benefícios desta cirurgia?

A cirurgia tem o benefício de perda de peso, com vantagens para os ossos, músculos, tendões e articulações, melhora na auto-estima, vida sexual, resultado estético, além da cura de doenças associadas a obesidade como hipertensão arterial e diabetes.

É possível com ela ficar curado de doenças como diabetes, hipertensão e outras?

O índice de cura para a diabetes chega a mais de 90% após a cirurgia, independente da perda de peso e em torno de 60 a 70% dos pacientes com hipertensão arterial ficam livres de medicamentos.

È necessário todos os pacientes fazerem cirurgia plástica após emagrecer? Quanto tempo?

Não. A decisão de fazer ou não cirurgia plástica depende de cada paciente e está relacionada a quantidade de pele excedente e o resultado estético pretendido. Normalmente a cirurgia plástica só é realizada após pelo menos, dezoito meses de cirurgia.

Como será a vida do paciente após a cirurgia?

Completamente normal, após um período inicial de adaptação.

Se o paciente precisa realmente da cirurgia, como ele deve encarar esta necessidade?

Como uma etapa inicial importante no tratamento de uma doença crônica grave, que merece cuidados e acompanhamento pelo resto da vida.

 

Untitled Document
Equipe Baros
Obesidade - A Doença
Tratamento Clínico
Orientações ao Paciente
Calcule seu IMC
Recomendações
Depoimentos
Tratamento da Diabetes
Dúvidas Freqüentes
Consultórios
Contato

BAROS - Grupo de Obesidade

Clínica Corporis - Av. Campos Sales, 847, Tirol - Tel: 84 3212-1222 / 3212-1922
Instituto de Endoscopia Digestiva de Natal - Av. Campos Sales, 763, Tirol - Tel: 84 4008-4150
E-mail: contato@baros.com.br

PHD Virtual